SIMPLES COMO O TEMPO
Letras que se espalham com os ventos por todos os cantos do mundo
CapaCapa Meu DiárioMeu Diário TextosTextos E-booksE-books FotosFotos PerfilPerfil Livros à VendaLivros à Venda Livro de VisitasLivro de Visitas ContatoContato
Textos


MAÇONARIA: "PEDRA POLIDA"
 
“Texto dedicado ao Irmão Leonardo Martins ,exaltado ao Grau 33, em junho de 2006, incansável lutador pela preservação da Ordem Maçônica no Brasil, Deputado Federal e Honorário Venerável da Augusta e Respeitável Loja Simbólica Mounth Moriah, nº 3327, do Rito Escocês Antigo e Aceito, filiada ao Grande Oriente do Brasil.”
 
 

Esculpi a pedra bruta,
esculpi-a
feito madeira,
trabalhei
de ponta a ponta,
usando o malho e o cinzel,
planejei e edifiquei
como operário,
obreiro, solitário...
 e feito menestrel
consegui o aumento de salário.
 
Esculpi a vida
e esculpi o mundo.
Fui estilhaçando lascas
ferpas
e letrinhas minúsculas.
Tudo foi muito rápido,
minha vida inteira
e mais três mil anos de história
atravessados num segundo.
 
Fui seguindo o ritual
passo a passo , tolerante...
soletrei as primeiras sílabas,
confiante,
despido de dogmas,
semi-nú,
tornei-me um igual:
cobriram-me os deuses
com um singelo avental.
 
Usei a régua e o compasso
e medi os passos,
de grau em grau...
Escalei a longa “Escada de Jacó”
sem balaústres ou rastros,
degrau por degrau!
 
O inseparável “Livro da Lei”,
esculpi-o em versos
sem rimas
ou patifaria.
Fui aprendiz, iniciado,
companheiro, cabalístico, cristão
e mago da família,
fui o primeiro a transpor a magia dos velhos mestres:
 __aperfeiçoei-me na maçonaria.
 
Esculpi a pedra bruta,
esculpi a mim mesmo,
e germinei minha alma,
feito um poema
que nasce palavra,
 linha, verso... pequenino!
E como substância
na mágica de um menino:
 cresce justo e perfeito
entre as rimas do tempo
e a coragem do peito.
 
Tirei de dentro de mim
lascas
como se afinasse
um tronco
ou apontasse-me,
lápiz!
Fragmentos madeira bruta,
magnetismo e vergonha na cara.
Como se afinasse
um violino
idealizando uma sinfonia rara.
 
Esculpi a pedra bruta,
despi-me da fama profana,
títulos e gravura.
Adentrei-me completamente ao templo de Salomão...
onde o ouro,
a riqueza e a formosura
destroem-se sob o brilho do sol do meio dia.
Onde a cruz, a âncora, o cálice
e o raio de luz do “olho que tudo vê”,
tornam a sombra da noite mais fria.
 
Sou criador
e criatura
 um eterno aprendiz
desbravando o místico,
o pacto e a filosofia.
Do onipotente Venerável, adquiri o espírito.
 Do onipresente São João, banhei-me de amor...
Aperfeiçoei
meu ego
ouvindo as  palavras de sabedoria
decifradas pelo poeta Mestre
 Irmão Orador.
 
Indizíveis
 verdades
retocadas pela Força e Beleza
palavras vigilantes
do primeiro e segundo Irmão.
 
O Grande Arquiteto do Universo
Ilumina meus caminhos,
enriquece-me em prosa e verso
completa-me com os 33 segredos
e a comunhão...
Brilham-me os espasmos,
ilusão dos cegos,
esculpindo-me à  perfeição!
  
Esculpi a pedra bruta
e ...desbastei-a em sua plenitude:
 Pura Pedra polida,
sabedoria máxima da vida.
 
Ao silencioso
 infinito momento da morte,
aos deuses e à transformação,
aos cavaleiros templários e à minha sorte,
ao meu augusto mestre: o rei Salomão,
respiro o mistério e o inusitado segredo
 da pura pedra polida,
emoldurada e
 viva em meu coração.
 
E em busca "del gran final":
__manchas de sangue do incansável maçon!
 

 
 
Wildon Lopes
20/05/2006
 

 
WILDON LOPES
Enviado por WILDON LOPES em 02/03/2010
Alterado em 06/09/2014
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original ("você deve citar a autoria de AVIENLYW e o site www.wildon.com.br"). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários