SIMPLES COMO O TEMPO
Letras que se espalham com os ventos por todos os cantos do mundo
CapaCapa Meu DiárioMeu Diário TextosTextos E-booksE-books FotosFotos PerfilPerfil Livros à VendaLivros à Venda Livro de VisitasLivro de Visitas ContatoContato
Textos

ALEXANDRIA

Sentado no terraço da minha janela
observo a morte do poeta...
Sem ninguém por perto,
noite mística,
som de capela.
Aquele que ontem não tinha nenhuma importância, nem meta
hoje, era feliz
pelas ruas da cidade,
que loucura era aquela!

Por que a multidão empurra, aperta, atropela?

Por que eles se matam sempre perto de alguma janela?

Talvez seu poemas: eternos e transoceânicos
talvez não sejam totalmente felizes - helênicos!
Ou derrepente mais parecidos com escritores gregorianos
esculpindo quadros ingleses - excêntricos!
(quem sabe Kaváfis, Kafka... ou algum baiano)
Quem sabe explicar por completo um movimento não-newtoniano?

Sei que a confissão e o óbvio
do tremendo medo de morrer
- se completa!
Fadado em sua própria covardia
o mundo é maior que a sua alma:
_ o poeta!

Não tenho mais nada a dizer
vou embora.
Minha rebeldia é a grandeza - alegoria.
Minha fantasia...
Vou procurá-la na arte de Alexandria.

by Wildon
06/02/2002

WILDON LOPES
Enviado por WILDON LOPES em 06/06/2006
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original ("você deve citar a autoria de AVIENLYW e o site www.wildon.com.br"). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários